Atenção, o seu browser está desactualizado.
Para ter uma boa experiência de navegação recomendamos que utilize uma versão actualizada do Chrome, Firefox, Safari, Opera ou Internet Explorer.

Studio Corkinho: Suspender o tempo com a Cortiça

Bélgica 17/8/2020

O atelier de design multidisciplinar Studio Corkinho, sediado em Antuérpia, desenvolve um trabalho focado nas possibilidades sensoriais da cortiça, centrado na sua expressão mais pura, e elevando-a à categoria de obra de arte. A simplicidade deste material, e a sua ligação umbilical à natureza, são a porta de entrada para uma atmosfera de quietude e tranquilidade, materializada na coleção STILL, onde a cortiça se encontra com outros materiais revelando toda a sua nobreza.

Dois designers, de Antuérpia, apaixonam-se pela cortiça. Qual é a vossa primeira lembrança desta matéria-prima?

Para um concurso de design, eu procurava uma matéria-prima natural, genuína, com propriedades únicas em termos de tacto e absorção sonora. A nossa pesquisa levou-nos à cortiça. Foi então que decidimos voltar à fonte.

A nossa primeira visita à floresta, para o descortiçamento, foi realmente mágica. A descoberta da cultura da cortiça, na sua mais pura simplicidade. Passámos alguns dias com os agricultores, tirámos-lhes fotografias, e também fotografias dos fragmentos poéticos, sentindo o património e vivendo a vida onde o tempo parece parar, em perfeita harmonia com a Mãe Natureza.

Conhece a cortiça tão bem, ainda o surpreende como matéria-prima? Porquê?

Começamos a entender os benefícios da cortiça, como usá-los e como enobrecer esta matéria-prima, seguindo a nossa filosofia de design de "renascimento".

Montámos um "laboratório de cortiça" no nosso estúdio em Antuérpia, onde aumentámos os limites da matéria-prima, misturando-a com outros materiais ou manipulando-a para criar uma nova “patine”. É uma interação muito intensa entre a nossa inspiração e a maneira como a cortiça reage. Às vezes funciona, outras vezes resume-se apenas a uma experiência. Mas queremos inovar para elevar a sua perceção sensorial.

O que é que mais valoriza na cortiça?

Acima de tudo, a sua origem natural. O seu dinamismo cíclico. Um material natural, totalmente sustentável, utilizado de tantas formas, com tantas propriedades.

Por outro lado, a maneira como ela pode ser manipulada, graças a uma profunda compreensão da sua composição.
Queremos requalificar a cortiça no mundo do design de interiores e na arquitetura. Usar a cortiça na sua expressão mais pura e matérica. Como uma massa sólida vinda diretamente da Terra.
Também, distanciarmo-nos do uso excessivo do material na indústria de design de massas, e esculpir a cortiça como uma obra de arte.

Que tipo de contributo pode trazer a cortiça ao design e à arquitetura contemporâneos?

Pode criar mais consciência sobre a forma de integrar a natureza nos interiores contemporâneos. Reparamos que muitas pessoas estão ainda céticas em relação à cortiça, porque a associam (a cortiça) a um design barato e de recreio, ou por vezes realmente não confiam, pois preferem trabalhar com carvalho ou mármore...

Queremos criar uma plataforma em que a cortiça não pareça cortiça... e deixar os clientes descobrir qual a sensação deste material, como interage com o espaço, como gera calma a partir das suas propriedades absorventes... torna-se então mais uma atmosfera do que apenas uma matéria-prima “natural".

Qual é o potencial das técnicas de modelagem 3D para cortiça, na vossa opinião?

Ainda não testámos a moldagem 3D, mas sentimo-nos bastante impressionados com esta tecnologia.
Construir pontes entre artesanato e tecnologia é sempre inspirador. Misturar técnicas modernas com matérias-primas históricas só pode trazer novas ideias. Sentimo-nos mais próximos do artesanato, da escultura... da poesia de trabalhar com as mãos...
Mas para certos projetos, a moldagem 3D pode ser realmente interessante.

O que é que nos pode dizer sobre sua coleção mais recente, STILL? Qual foi a sua intenção?

STILL é a atmosfera onde nos revemos. Requalificamos um edifício antigo no Porto de Antuérpia e transformámo-lo numa cela monástica contemporânea. Para elevar a quietude numa atmosfera contemplativa. Criámos novas coleções, de mesas baixas a paredes e esculturas, com a finalidade de propor um destino para meditação.

Tenho viajado pelo mundo para estudar a "arquitetura do silêncio". Para perceber como o silêncio pode influenciar o nosso bem-estar e criar uma abordagem holística a partir do vazio arquitetónico. Especialmente hoje em dia, as pessoas precisam de agarrar-se a um propósito mais elevado. O caminho para esse auto-crescimento passa por ser capaz de se conectar com o silêncio interior. No meu íntimo, penso que o silêncio tem potencial para ser a moeda do século XXI.

A utilização da cortiça na sala exerce uma enorme influência sobre a quietude da atmosfera.
Organizamos meditações para empresas e clientes particulares. Todos adoram.

Além de ser um estúdio de design, o nosso maior objetivo é trazer bem-estar aos nossos clientes. Guiá-los para um nível mais profundo e partilhá-lo com o mundo.

Qual é o seu projeto de sonho com cortiça, ainda por fazer?

Construir um retiro holístico STILL, uma espécie de “termas da mente”, que poderia ser uma abordagem criativa para ilustrar como a cortiça pode ser usada no seu sentido mais puro. Elevar a cortiça num projeto museológico ou de hospitalidade, fortemente conectado à sua fonte, onde pessoas de todo o mundo passariam a desfrutar da quietude para aprender, descansar, crescer, encontrar espíritos inspiradores numa comunidade onde o tempo se suspende, onde se fazem rituais para abrandar, tudo ligado a uma quinta bio-dinâmica, onde passar uns dias maravilhosos, fazer workshops, e perceber de que forma a verdadeira Liberdade pode alterar a forma como olhamos para o mundo.