Atenção, o seu browser está desactualizado.
Para ter uma boa experiência de navegação recomendamos que utilize uma versão actualizada do Chrome, Firefox, Safari, Opera ou Internet Explorer.

Rolhas da Corticeira Amorim com Pegada de Carbono negativa

Portugal 17/8/2020

Resultados dos estudos conduzidos pela EY evidenciam contribuição da cortiça para a descarbonização da indústria do vinho

A Amorim Cork, Unidade de Negócios Rolhas da Corticeira Amorim, anunciou os resultados das análises feitas a 10 dos seus principais produtos que concluíram, sem exceção, que o balanço de carbono de todas as rolhas analisadas é negativo quando considerado o sequestro das florestas de sobro e as emissões associadas à produção do produto.

Desta forma, uma rolha natural para vinho permite um sequestro de carbono até -309g CO2eq; uma rolha Twin Top Evo para vinho, com dois discos de cortiça natural, permite um sequestro de carbono até -297g CO2eq; uma rolha microaglomerada Neutrocork para vinho permite um sequestro de carbono até -392g CO2eq e uma rolha Advantec para vinhos de rotação rápida permite um sequestro de carbono até -328g CO2eq; uma rolha para vinho espumante com dois discos permite um sequestro de carbono até -562g CO2eq; uma rolha aglomerada para vinho espumante permite um sequestro de carbono até -540g CO2eq; uma rolha natural Top Series com cápsula de madeira para espirituosos permite um sequestro de carbono até -96g CO2eq; uma rolha Top Series Wood Neutro para espirituosos permite um sequestro de carbono até -148g CO2eq; uma rolha natural Top Series com cápsula em plástico para espirituosos permite um sequestro de carbono até -87g CO2eq e uma rolha Top Series Plastic Neutro para espirituosos permite um sequestro de carbono até -138g CO2eq.

Abrangendo rolhas para diversos segmentos de vinhos tranquilos, vinhos espumantes e espirituosos, os estudos conduzidos pela EY concluíram ainda que 80% dos produtos avaliados têm uma pegada de carbono individual negativa, ao apresentar emissões diretas do processo produtivo inferiores ao carbono contido no produto.

Os resultados fornecem informação relevante sobre a contribuição ambiental dos produtos de cortiça e, sublinhe-se, facultam aos cerca de 19 000 clientes nacionais e internacionais de Amorim Cork informação quantificável sobre como reduzir a própria pegada de carbono dos seus produtos.

Segundo António Rios de Amorim, “a Corticeira Amorim continua a aprofundar o enorme contributo do montado e de toda a fileira da cortiça através de mais investigação sobre a matéria. De resto, as questões dos serviços do ecossistema agora lançados para a discussão pública por vários especialistas começaram a ser estudados pela Corticeira Amorim há 10 anos. Este estudo da EY vem complementar e pôr em evidência o enorme valor do montado em matéria de sustentabilidade”, conclui o Presidente e CEO da Corticeira Amorim.

Levados a cabo entre 2018 e 2020, os estudos debruçaram-se sobre as diferentes etapas do ciclo de vida numa abordagem cradle to gate, nomeadamente: atividades florestais; preparação de cortiça, incluindo o transporte da floresta; produção; acabamento e embalagem. Tendo como objetivo a comparação com abordagens de estudos anteriores, também foi incluída a distribuição do produto de Portugal para o Reino Unido. A avaliação incluiu ainda informações adicionais sobre o sequestro de carbono da floresta de sobreiro.

A metodologia dos estudos conduzidos pela EY teve por base as normas ISO 14040/44 (ISO, 2006), complementadas com as diretrizes do International Reference Life Cycle Data System (ILCD) Handbook - General Guide for Life Cycle Assessment - Detailed guidance (EC-JRC, 2010), e foi alinhada também com a Product Environmental Category Rules (PEFCR) para os vinhos tranquilos e espumantes, emitida pela Comissão Europeia em 2018. Os dados associados à produção foram fornecidos pela Corticeira Amorim, enquanto os processos gerais de produção associados à produção matérias-primas, energia, transporte e gestão de resíduos foram obtidos na base de dados ecoinvent 3.5 (Werner, et al., 2016). A avaliação foi focada numa unidade funcional de 1000 rolhas.