Atenção, o seu browser está desactualizado.
Para ter uma boa experiência de navegação recomendamos que utilize uma versão actualizada do Chrome, Firefox, Safari, Opera ou Internet Explorer.

Corticeira Amorim é a única empresa portuguesa que integra a campanha 50 Sustainability & Climate Leaders

7/9/2020

Groupe Rocher, Novartis, Ericsson, Heidelberg Cement, Prysmian Group ou John Deere são apenas algumas das empresas que integram o projeto.

A Corticeira Amorim, o maior grupo de transformação de cortiça do mundo, é uma das 50 empresas que integra a campanha 50 Sustainability & Climate Leaders. O projeto promovido pelo TBD Media Group, e cujos conteúdos serão distribuídos pelo grupo Bloomberg, reúne, então, um conjunto alargado de organizações que lideram a nível global a luta contra as alterações climáticas. Sustentabilidade, tecnologia e inovação foram outros dos drivers que presidiram à escolha dos participantes no programa 50 Sustainability & Climate Leaders que engloba igualmente líderes de negócios de setores como o farmacêutico, petroquímico e serviços financeiros.

Na verdade, a Corticeira Amorim é o único representante português na campanha 50 Sustainability & Climate Leaders, movimentando-se entre gigantes como o francês Groupe Rocher, a suiça Novartis, a sueca Ericsson, o alemão Heidelberg Cement, o italiano Prysmian Group, a japonesa Suntory Holdings Limited, a alemã Wilo Group, a americana John Deere, o suíço REHAU Group, a alemã MANN+HUMMEL, a norueguesa Statkraft, o alemão SSI SCHAFER ou a suiça Archroma.

Um ranking de notáveis que “muito orgulha a Corticeira Amorim”, afirma António Rios Amorim. “Um sinal claro de que estamos do lado certo da história: trabalhamos talvez o mais nobre dos produtos oferecidos pela natureza de forma sustentável, respeitando os ciclos normais de crescimento, usando os princípios da economia circular, sem qualquer desperdício de matéria-prima, e contribuindo ao longo de todo o processo para a descarbonização de diversas indústrias. E é tal a nossa crença na cortiça como resposta aos muitos desafios vindouros nos domínios da sustentabilidade – conclui o Presidente e CEO da Corticeira Amorim – que o futuro será certamente promissor”.

De resto, os promotores da campanha 50 Sustainability & Climate Leaders sublinham “que a Corticeira Amorim, com a sua abordagem à gestão e fabrico de cortiça comprova a sua liderança sustentável – indo além, otimizando os processos de forma amiga do ambiente e maximizando o impacto positivo de uma indústria já naturalmente sustentável”. Acrescentam “que a empresa desempenha um papel importante na promoção da gestão florestal sustentável, nas políticas de desenvolvimento florestal e na troca de conhecimentos com os produtores. Acabam afirmando “que esta forma de administrar garante que o montado mantenha de forma eficaz a sua sustentabilidade natural”.

O projeto 50 Sustainability & Climate Leaders inclui um summit dos 50 líderes que decorrerá sob os auspícios da ONU (Organização das Nações Unidas) em Nova Iorque. Agendada para 2021, a conferência estará alinhada com os 17 Objetivos de Desenvolvimento Sustentável da ONU. O intuito do encontro, cujo programa contará com a participação de executivos, embaixadores e especialistas, será promover a troca de ideias sobre como alcançar uma maior sustentabilidade, privilegiando soluções tecnológicas recentes, favorecendo a inovação disruptiva, e fomentando lideranças socialmente responsáveis.

A Corticeira Amorim, o maior grupo de transformação de cortiça do mundo que labora ininterruptamente desde 1870, assume a sua liderança mundial indo muito para além da otimização dos seus processos e da redução dos impactos ambientais das suas operações. Liderando uma indústria naturalmente sustentável, promove, valoriza e viabiliza as florestas de sobro que são importantes sumidouros naturais de CO2, fomentam uma biodiversidade de relevância, protegem contra a erosão dos solos, regulam o ciclo hidrológico e constituem-se como barreiras contra incêndios. Depois, é a extração cíclica da cortiça que mantém a vitalidade dos montados e que promove o desenvolvimento económico, ambiental e social que lhe está associado, permitindo que dezenas de milhares de pessoas continuem a viver e a trabalhar em zonas áridas e semiáridas.