Atenção, o seu browser está desactualizado.
Para ter uma boa experiência de navegação recomendamos que utilize uma versão actualizada do Chrome, Firefox, Safari, Opera ou Internet Explorer.

Corticeira Amorim celebra 30 Anos em Bolsa

Lisboa 27/4/2018

O 30º aniversário da admissão da Corticeira Amorim em Bolsa foi assinalado  ontem, dia 26 de Abril, num evento organizado pela Euronext, na sua sede em Lisboa. A sessão contou com a presença do Presidente do Conselho de Administração da Euronext Lisboa, Paulo Rodrigues da Silva, e do Presidente do Conselho de Administração da Corticeira Amorim, António Rios de Amorim, tendo o encerramento sido realizado pela Secretária de Estado da Indústria, Ana Teresa Lehmann.

"Esta não é uma empresa nem uma família qualquer“, afirmou Teresa Lehmann, Secretária de Estado da Indústria. “Foi uma empresa que demonstrou conhecer as vantagens do mercado de capitais e que soube aproveitá-las”, enaltecendo o “contributo extraordinário (do grupo) para a economia nacional”.

"Muitas das indústrias mais inovadoras portuguesas são tradicionais", referiu a Secretária de Estado da Indústria, destacando a Corticeira Amorim como um exemplo de "inovação na tradição" e de uma "indústria de futuro".

A abertura em bolsa do capital da Corticeira Amorim teve lugar em abril de 1988, a que se seguiram a Ipocork e a Amorim & Irmãos, em junho, e a Champcork, em julho. Um ano mais tarde, foi lançada uma oferta pública de troca de ações da Corticeira Amorim pelos títulos das restantes empresas.

Este foi um passo decisivo para a transformação do que já era uma empresa fortemente exportadora para uma empresa verdadeiramente internacional, que aportou uma sólida e equilibrada estrutura financeira, o que permitiu estabelecer, com sucesso, uma rede de distribuição própria em geografias próximas dos seus principais mercados e clientes e, também, a criação de unidades produtivas em alguns mercados estratégicos.

Cotar a empresa em bolsa não permitiu apenas à Corticeira Amorim aceder a capital. Como empresa cotada, o compromisso com investidores elevou-se, sobretudo ao nível de rentabilidade, de reporting, de consistência, assim como em termos da visibilidade da atividade e do escrutínio da gestão e do governo da empresa.

Durante o evento, António Rios de Amorim afirmou que “Assinalámos 30 anos de grandes riscos e desafios, de intenso trabalho e, felizmente, de sucesso num percurso empresarial que dura quase século e meio de atividade.” E acrescentou que “A decisão de cotar a Corticeira Amorim em Bolsa foi uma alavanca essencial na profissionalização da gestão; na especialização por unidades de negócios geridas por equipas altamente qualificadas e motivadas; no redesenho de um modelo de governance capaz de salvaguardar os interesses de todos os stakeholders, incluindo a criação de riqueza sustentável para o acionista.”

Ao longo destes 30 anos, a Corticeira Amorim teve níveis diferentes de dispersão de capital. Nos anos mais recentes (2015 e 2016), a empresa reforçou significativamente o freefloat, até cerca de 25%, em duas operações muito participadas por investidores institucionais, nacionais e estrangeiros. Operações que, aliadas aos bons fundamentais da empresa, permitiram uma atenção acrescida e uma maior cobertura por parte dos mercados financeiros.