Atenção, o seu browser está desactualizado.
Para ter uma boa experiência de navegação recomendamos que utilize uma versão actualizada do Chrome, Firefox, Safari, Opera ou Internet Explorer.

Corticeira Amorim Disponibiliza 200m2 de cortiça para a construção do Serpentine Summer Pavilion 2020/21

Londres 24/2/2020

Oito anos depois do projeto de Herzog & de Meuron e Ai Wei Wei, a cortiça é de novo o material escolhido para o Serpentine Summer Pavilion. O estúdio de arquitetura sul-africano Courterspace assina a obra

Três arquitetas com menos de 30 anos, Sumayya Vally, Sarah de Villiers e Amina Kaskar, são as autoras do projeto selecionado para o Serpentine Summer Pavilion 2020/21. Num ano em que a célebre galeria londrina assinala o seu 50º aniversário, e a iniciativa do Pavilhão de Verão festeja 20 edições, o programa será comissariado pela primeira vez pelo período de dois anos. Oportunidade
para alavancar um conjunto de projetos de pesquisa que certamente criarão significativas conexões entre a estrutura, as pessoas e as comunidades. 

Num ano, então, de novidades – o trio feminino de Joanesburgo, que forma o estúdio Counterspace, é a equipa mais jovem de sempre a ser selecionada para projetar a instalação temporária – a cortiça é pela segunda vez o material escolhido para uma das exposições de referência do design e da arquitetura mundiais. A primeira vez foi em 2012, num projeto de referência assinado pelos arquitetos suíços Herzog & de Meuron e o artista e ativista chinês Ai Wei Wei: uma estrutura circular integrando mais de 100 peças de mobiliário de aglomerado de cortiça portuguesa. 

Para o projeto do estúdio Counterspace, a Corticeira Amorim disponibilizará 200 m2 de cortiça, uma matéria-prima que pelas suas credenciais de sustentabilidade únicas – 100% natural, renovável, reciclável e reutilizável - responde particularmente bem ao desafio das projetistas de criar uma instalação marcadamente ecológica. Focada na sustentabilidade, combinando técnicas de construção tradicionais e abordagens inovadoras, a proposta do estúdio Counterspace centra-se nas experiências das comunidades periféricas e de migrantes de Londres. Contornando a permanência da arquitetura, o pavilhão foi concebido como um evento em si mesmo, e inclui elementos móveis que serão espalhados por vários bairros da cidade antes de regressarem à estrutura base. 

Para além da cortiça, na construção do pavilhão serão utilizados outros materiais verdes, como tijolos reciclados a partir de desperdícios da indústria de construção e de demolições urbanas. 

Num ano marcado por desafios globais sem precedentes, a proposta para o Serpentine Summer Pavilion 2020/21 surge como um convite à reflexão e ao debate de novas ideias em torno da arquitetura, o ambiente, o bem-estar e a comunidade.