Atenção, o seu browser está desactualizado.
Para ter uma boa experiência de navegação recomendamos que utilize uma versão actualizada do Chrome, Firefox, Safari, Opera ou Internet Explorer.

Cortiça inspira encontro de culturas na Bienal de Veneza

Veneza 11/5/2019
  • Leonor Antunes, que representa Portugal na 58ª edição desta Exposição internacional de Arte, elegeu a matéria-prima nacional para apresentar o país
  • No mesmo certame, Nacho Carbonell apresenta a instalação “Inside a Forest Cloud Chandlier”, também em cortiça, no Ca’ d’Oro

Leonor Antunes criou um piso de cortiça com desenhos de Carlo Scarpa para o Palazzo Giustinian Lolin, onde está instalada a Representação Oficial Portuguesa | Pavilhão de Portugal na 58ª edição da Bienal de Veneza até 24 de novembro de 2019.

A matéria-prima, que remete para a identidade nacional, foi integrada no projeto desenvolvido especificamente para o piso inferior e para o piso nobre deste palácio histórico do séc XVII. A versatilidade e a leveza da cortiça permitiram encontrar resultados estéticos assentes no seu traço natural e dão as boas-vindas a quem entra no palácio onde a criação contemporânea Portuguesa se apresenta ao mundo.

Também nesta Bienal, inserido na mostra Dysfunctional, Nacho Carbonell expõe a luminária “Inside a Forest Cloud” num diálogo criativo e eloquente com o imponente Ca’ d’Oro, um dos mais destacados e concorridos palácios do Grand Canal. O artista espanhol, conhecido pela sua abordagem tátil à escultura, utiliza granulado projetado de cortiça para criar texturas no topo das várias árvores que compõe esta floresta de luz, usando três tonalidades diferentes desta matéria-prima para formar um degradé que se harmoniza com o aço que forma os ramos e a estrutura da peça.

Nacho Carbonell afirma: “para chegar a este resultado, desenvolvemos amplas experiências com a cortiça, que acreditamos agora conhecer melhor, assim como as suas potencialidades, o que nos ajudará a desenvolver e projetar mais peças no futuro.”

Cristina Amorim, Administradora da Corticeira Amorim, realça “A cortiça enquanto matéria-prima tem sido trabalhada por artistas de forma muito interessante, sob várias vertentes. Cativados pelas suas caraterísticas enquanto matéria natural, renovável e sustentável, designers e arquitetos expressam a partir dela a sua criatividade, desde conceitos visuais que remetem à natureza – como é o caso de “Inside a Forest Cloud” de Nacho Carbonell, ou que sustentam o resultado de reflexões artísticas – como é o caso de “a seam, a surface, a hinge, or a knot” de Leonor Antunes. É uma honra poder colaborar em iniciativas desta relevância e notoriedade.”

No Pavilhão de Portugal, Leonor Antunes explora o modo como as tradições artesanais de várias culturas se cruzam nesta história, associando nomeadamente o conceito japonês de “Shakkei”, onde se verifica o uso de uma paisagem de fundo no projeto de um jardim, com o trabalho de Scarpa e formas de artesanato originárias de Itália, Japão e Portugal.

Nesta 58ª edição, a Exposição Internacional de Arte – La Biennale di Venezia tem como lema “May You Live In Interesting Times” e curadoria de Ralph Rugoff, diretor da Hayward Gallery de Londres. Na visão do curador, May You Live In Interesting Times «tem como objetivo dar as boas-vindas ao público para uma experiência expansiva de profundo envolvimento, assimilação e aprendizagem criativa que a arte nos proporciona», pois «talvez a arte possa oferecer orientações que nos ajudem a viver e pensar nesses “tempos interessantes”».

Sobre Leonor Antunes:

Nascida em Lisboa em 1972, reside em Berlim desde 2004. O trabalho de design de Leonor Antunes é conhecido pela sua afinidade com o modernismo e pelos seus padrões geométricos específicos, bem como por formas e estruturas que foram particularmente valorizadas pelos arquitetos e designers do início do século XX. O seu trabalho é matemático, com medidas, escalas e a beleza das proporções que constituem o seu trabalho, através do qual estabelece um diálogo com os espaços que ocupa, quer pela forma como as suas peças ecoam a arquitetura circundante, quer pela forma como utiliza as simetrias como uma ferramenta para desenvolver cada nova instalação.

Sobre Nacho Carbonell:

Nasceu em Espanha em 1980. Nacho Carbonell formou-se em 2003 na Cardenal Herrera C.E.U. Universidade na Espanha antes de ir estudar na Design Academy Eindhoven. Depois de se formar, Carbonell começou imediatamente a criar o seu próprio nome no mundo do design, com sua coleção Evolution de 2009, recebendo uma indicação para o Design Beazley do Ano do Design Museum de Londres. Em 2010, um ano depois de ser nomeado como Designer do Futuro na Design Miami / Basel, apresentou This Identity, que redefiniu seu estilo de formas orgânicas e texturas ásperas e coloridas.
As suas peças são exibidas em museus de todo o mundo, como o Museu Groningen, na Holanda, o Museu 2121, no Japão, o Fnac-Fonds national d'art contemporai, na França, o MoMA San Francisco, o Art Institute of Chicago e o Mint. Museu nos Estados Unidos. Encontram-se também integradas em várias coleções particulares.