Atenção, o seu browser está desactualizado.
Para ter uma boa experiência de navegação recomendamos que utilize uma versão actualizada do Chrome, Firefox, Safari, Opera ou Internet Explorer.

Cortiça AMORIM no Pavilhão 2012 da Serpentine Gallery de Londres

Londres 8/5/2012

Herzog & de Meuron e Ai Weiwei escolhem CORTICEIRA AMORIM como parceiro para projecto arquitectónico.

A cortiça foi seleccionada como o elemento distintivo do próximo Pavilhão da Serpentine Gallery, em Londres, o mais ambicioso programa mundial de arquitectura do género, liderado nesta 12.ª edição pelo consagrado gabinete de arquitectura Herzog & de Meuron e o artista plástico Ai Weiwei.

Depois do notável trabalho realizado no emblemático Estádio Nacional de Pequim, desenvolvido para os Jogos Olímpicos de 2008, Jacques Herzog, Pierre de Meuron e Ai Weiwei juntam-se de novo para o que será o seu primeiro projecto conjunto no Reino Unido.

A cortiça, integralmente fornecida pela CORTICEIRA AMORIM, surge como elemento estruturante desta obra icónica, cujo uso extensivo se justifica, segundo os arquitectos, pelas suas características. Herzog & de Meuron descrevem a cortiça como um "material natural, com fortes mais-valias aos níveis do tacto e do olfacto, de grande versatilidade, o que permite que seja facilmente esculpido, cortado, moldado e formado. "

Para António Rios de Amorim, Presidente da CORTICEIRA AMORIM, "Esta parceria resulta do incessante empenho da CORTICEIRA AMORIM em promover mundialmente as imbatíveis credenciais técnicas e de sustentabilidade deste material natural. Ver a cortiça aplicada num projecto arquitectónico com este impacto e de uma estética irrepreensível é simultaneamente um motivo de orgulho e uma oportunidade ímpar de demonstrar ao mundo que a cortiça não é apenas um produto único, criado pela Natureza, mas é também um material tecnologicamente relevante para o século XXI. "

Apostando numa abordagem arqueológica, Herzog & de Meuron e Ai Weiwei conceberam um pavilhão que pretende inspirar os visitantes a olhar por baixo da superfície, para a sua estrutura. O conceito deste projecto assenta num convite a um retrocesso no tempo, através do legado das onze edições anteriores desta iniciativa da Serpentine Gallery. Às onze colunas que simbolizam cada pavilhão anterior, junta-se uma outra representativa da estrutura actual, que suporta uma plataforma flutuante, a uma distância do solo de apenas 1,5 metros.  

O Pavilhão da Serpentine Gallery é considerado um marco da arquitectura mundial, uma iniciativa que resulta na criação anual de um edifício emblemático, que atrai uma média de 250 mil visitantes por ano. Dada a realização simultânea dos Jogos Olímpicos também em Londres, espera-se uma afluência significativamente mais elevada durante este ano. Frank Gehry, Rem Koolhaas, Oscar Niemeyer, Daniel Libeskind, Zaha Hadid e os portugueses Álvaro Siza e Eduardo Souto Moura foram alguns dos arquitectos de renome internacional responsáveis pelas edições anteriores.