Atenção, o seu browser está desactualizado.
Para ter uma boa experiência de navegação recomendamos que utilize uma versão actualizada do Chrome, Firefox, Safari, Opera ou Internet Explorer.

Tão infinita quanto a imaginação

Nenhuma tecnologia consegue imitar as propriedades únicas da cortiça, mas com a ajuda dos recentes avanços em I&D e Inovação é possível desfrutar da alta performance técnica desta matéria-prima 100% natural como nunca antes tinha acontecido. Rolhas e pisos de cortiça são os dois produtos mais representativos da indústria mas atualmente as capacidades da cortiça são amplamente exploradas por designers, arquitetos e engenheiros dos mais variados sectores em todo o mundo.

"É um material natural, com fortes mais-valias aos níveis do tato e do olfato, de grande versatilidade, o que permite que seja facilmente esculpido, cortado, moldado e formado."
Herzog & de Meuron, arquitetos do Serpentine Gallery Pavilion

Um dos êxitos mais recentes foi o Serpentine Gallery Pavilion, atualmente parte da coleção particular dos reconhecidos colecionadores internacionais Usha and Lakshmi N. Mittal. O projeto dos arquitetos Herzog & de Meuron e do artista chinês Ai Weiwei surpreendeu pela criatividade e pelo facto de terem usado uma matéria-prima tão «interessante e misteriosa, que poucas pessoas sabem realmente o que é», como refere Jacques Herzog.

 

A cortiça tem um poder de atração notório. Tal como aconteceu em Londres, a curiosidade suscitada pela cortiça move milhares de pessoas em todo o mundo. Veja-se o exemplo da China, onde o impacto do Pavilhão de Portugal da Expo Xangai, todo construído em cortiça, foi arrebatador. E o mesmo acontece em Barcelona, onde a cortiça reveste a Sagrada Família, de Gaudí; em Milão, no Museu Leonardo da Vinci; em Tóquio, no Museu Nezu.

"A cortiça é um material que é certamente digno de atenção no design. O seu apelo reside na conjugação do encanto de um mundo mais antigo com as capacidades técnicas de um mundo novo."
Jasper Morrison

De facto, a possibilidade de combinar a cortiça com outros materiais torna-a numa opção diferenciadora e contribui para que assuma uma importância crescente, não só na arquitetura, mas também em áreas como o design. O atual desafio de trazer a cortiça para o primeiro plano da vida moderna tem envolvido grandes nomes, como Jasper Morrison, Inga Sempé, Ronan & Erwan Bouroullec. Uma preferência que se estende a prestigiadas marcas de design contemporâneo, como a Vitra ou a Established & Sons. E na moda, Yves Saint Laurent, Prada, Stella McCartney, Dior, Manolo Blahnik, Costume National, Dolce & Gabbana e Gucci orgulham-se também de integrá-la nas suas coleções de joalharia, vestuário e calçado.

De mãos dadas com a tecnologia de última geração

Conjugada com a tecnologia mais vanguardista, a cortiça aumenta a performance dos produtos, o conforto e o prestígio.

Por exemplo nos automóveis - no interior do protótipo F700, da Mercedes, foi aplicada cortiça tão fina quanto o couro -, nos componentes para interiores de autocarros, nos comboios de alta velocidade e nos aviões.

Desempenha igualmente um papel relevante na construção de pontes e autoestradas, na geração de energia, nos caminhos-de-ferro, nas barragens e nos aeroportos. E também no controlo da poluição, seja integrada em produtos absorventes de óleos, hidrocarbonetos ou solventes orgânicos ou projetada em grânulos por ar comprimido, para renovar monumentos e fachadas de prédios.

 

No mundo desportivo, maximiza o desempenho de bolas de hóquei, de golfe e de basebol, bases de volantes de badminton, raquetes de ténis de mesa, alvos para dardos, caiaques olímpicos e pranchas de surf. Fruto da investigação, surgem todos os dias novas e surpreendentes utilizações: tecido de cortiça, papel de cortiça e fio de cortiça são já uma realidade.

Na saúde, é usada em adjuvantes de vacinas e, brevemente, será incluída, em forma de pó, em produtos cosméticos, graças às suas características hipoalergénicas.

Pela sua capacidade de resistência ao choque, está a ser testada também em equipamentos à prova de bala. No cinema, pela sua leveza, finos grãos de cortiça são usados nos efeitos especiais das explosões.


Mas não é só em terra que a cortiça se afirma. Há décadas que a NASA e a ESA - Agência Espacial Europeia a escolhem para proteger os escudos térmicos e placas de revestimento das naves espaciais, conferindo à cortiça um papel relevante no sucesso do lançamento e na operação bem-sucedida destes veículos.

É o início de uma nova era de descobertas, de um horizonte ainda mais glorioso para a cortiça e as suas potencialidades, tão infinitas quanto o Espaço.