Atenção, o seu browser está desactualizado.
Para ter uma boa experiência de navegação recomendamos que utilize uma versão actualizada do Chrome, Firefox, Safari, Opera ou Internet Explorer.

Potencial criativo para além do tempo

As origens da utilização da cortiça perdem-se no tempo. Foram vários os povos que, milhares de anos antes de Cristo, descobriram o potencial desta matéria-prima proveniente do sobreiro (Quercus Suber L.) e a utilizaram numa infinidade de objetos do quotidiano. Prova disso são os inúmeros vestígios encontrados em alguns países do Mediterrâneo.

"Para um material que tem sido usado desde a Antiguidade, a versatilidade camaleónica da cortiça é astronómica (...) graças à sua capacidade de renovação e de adaptação a novas exigências tecnológicas."
The Chemistry of Cork, National Geographic

Os Antigos Egípcios usaram a cortiça como utensílio náutico, nas artes da pesca e em aplicações domésticas. Avançados para a sua época, escolheram também este material para as solas das suas sandálias, sem sequer imaginarem que a moda estaria nos desfiles das mais prestigiadas casas de alta-costura do século XXI.

A Civilização Romana continuou a explorar as virtudes da cortiça no calçado, como palmilhas, mas alargou os horizontes: aplicou-a também como vedante de ânforas para transportar líquidos e ainda nas próprias casas, para revestir telhados e tetos. Já nessa época se evidenciava a aptidão térmica da cortiça, que acabaria por ser comprovada mais tarde pelos monges medievais, que a utilizavam para revestir as paredes dos seus aposentos, para se protegerem do frio no inverno e do calor no verão.

Na Era das Grandes Navegações, esta matéria-prima natural foi aplicada nas caravelas portuguesas que partiram à descoberta de novos mundos. Num passado ainda recente, foi também usada em equipamentos militares da II Guerra Mundial.

Apesar da multiplicidade de utilizações, a cortiça tem sido relacionada de forma mais imediata com o vinho. Embora haja registos de ânforas do século III a.C. vedadas com cortiça, contendo vinho em bom estado de conservação, a grande revolução na indústria vinícola só ocorreu no século XVII, com Dom Pérignon.

Este monge francês, que ficou célebre pelo seu champanhe, decidiu procurar uma alternativa às rolhas da época - madeira envolta em cânhamo embebido em azeite -, pouco vedantes, duvidosas na preservação do vinho e sempre prontas a saltar. A cortiça foi a solução. Esta escolha impulsionou o crescimento das indústrias do vinho e da cortiça, que têm evoluído juntas ao longo de centenas de anos. Hoje, a rolha de cortiça protege os melhores vinhos, dos centenários aos mais novos.

As potencialidades da cortiça continuam a ser reconhecidas e, num mundo em que a inovação e a ecologia passaram a andar de mãos dadas, este material desperta o interesse de cada vez mais setores. Um dos produtos mais antigos em utilização permanente pela Humanidade continua, assim, a dar vida a novos produtos e aplicações.